JOAQUIM TEIXEIRA DE NOVAES

JOAQUIM TEIXEIRA DE NOVAES, nasceu no dia 27 de setembro de 1884, em Juiz de Fora, MG. Faleceu no Rio de Janeiro, no dia 5 de abril de 1942. Foi proprietário e Redator Chefe do “Paládio Jornal, semanário que existiu em Santos Dumont – MG. Prosador, poeta e trovador. Deixou vários livros inéditos. Era funcionário da Estrada de Ferro Central do Brasil, onde trabalhou durante 37 anos.

Na vida de um sonhador,
brilha uma estrela escondida,
que transforma a própria dor
numa roseira florida.

Fitando o céu eu procuro
a verdade que ele encerra
e me sinto mais seguro
contra as maldades da terra

Fabrico versos doridos,
em rimas iluminadas,
que v]ão vibras nos ouvidos
de almas enamoradas.

Se a ambição faz dos mortais
criaturas pequeninas,
do perfume dos rosais
fabrico jóias divinas.

Minha lira! Minha vida!
Vem cantando, vou cantando...
Ah! quanta mágoa escondida
tuas cordas vão vibrando!

Sendo pobre, tenho um cofre
onde guardo a inspiração,
e todo aquele que sofre
nele encontra proteção.

Olha o sino da matriz
como convida a rezar!
Sua voz vibrando diz:
- pecador, vem meditar!

Quando da vida na luta,
a prece a verdade guarda,
Deus bondoso nos escuta
e a recompensa não tarda!

Nossa alma o voo levanta
e vai subindo , feliz...
E o sino chamando canta
lá na torre da matriz!

Feliz daquel que sente
e segue da crença o mando,
porque no peito de um crente
há sempre um sino cantando.

JOAQUIM TEIXEIRA DE NOVAES