ANTÔNIO MESSIAS DA ROCHA FILHO

ANTÔNIO MESSIAS DA ROCHA FILHO, nasceu no dia 17 de março de 1945 em Ritápolis – mg, à época distrito de São João Del Rei, onde fez seus primeiros estudos no Colégio São João da Congregação Salesiana. Desde a infância cultivou o gosto pela literatura, em especial a poesia. Mudou-se para Juiz de Fora em 1959 onde continuou seus estudos. Jornalista profissional, poeta, trovador e produtor cultural, fez parte do Nume – Núcleo Mineiro De Escritores e faz parte da União Brasileira de Trovadores – UBT, sendo membro fundador da entidade em Juiz de Fora. É o atual presidente da UBT- Seção de Juiz de Fora e secretário da UBT – Minas Gerais. Foi vencedor de inúmeros concursos de trovas por todo Brasil. Em 2018 recebeu o título de “Magnífico Trovador”, concedido pela UBT de Nova Friburgo. É o organizador do primeiro, segundo e terceiro volumes da coletânea Múltiplas Palavras.

Participou de numerosos festivais de música e em 1978, com a música “Escravos de Jó”, foi vencedor do festival de Boa Esperança em parceria com Zé Polessa. É também o autor da letra do hino do Tupi em parceria com Geraldo Santana e Carlos Odilon.

No que tange às escolas de samba, é autor da letra de sambas para várias delas, entre quais a Feliz Lembrança, sua escola do coração, Juventude Imperial, Real Grandeza, Unidos do Ladeira, Mocidade Independente do Progresso, Unidos do Monte Castelo, Castelo de Ouro, e Águia de Ouro.

"Magnífico Trovador" em Nova Friburgo desde 2018. Conquistou o título com as três trovas seguintes:

Menção Honrosa em 2016
A semente até parece
morta na cova em que é posta
e a terra sempre oferece
a vida como resposta.

1º Lugar em 2017
Para fugir do cansaço,
ensinou-me um velho monge,
que uma pausa a cada passo,
sempre nos leva mais longe!

1º Lugar em 2018
Sempre o povo impõe seu veto,
quando a cegueira de um rei
cria trevas por decreto
e apaga as luzes da lei!

OUTRAS:

Quando a paixão foge à norma,
a razão com maestria
rege a orquestra que transforma (1º lugar Academia Mageense 2014)

nosso amor em sinfonia.
O nosso amor eu contemplo
dessa forma simbolista:
foi um fiel no meu templo
e, no teu templo, um turista...

Se a saudade me consome (1º lugar em Magé)
e alimenta a minha dor,
lembrando apenas teu nome
eu mato a fome de amor!

Vejo a varanda sem rede... (5º lugar Conc."Falando de Trova/2011)
Silêncio no casarão (Tema "Saudade)
e os retratos na parede
parecem vivos... não são...

Angústia: o último tomo, (M. Especial Nova Friburgo - 1971)
última página, fim.
Os sinos dobram e é como
se eles dobrassem por mim...

A imensidão é por certo,
uma questão de lugar:
descobri que era um deserto
o que pensei que era um mar...

Não é mister ser arguto
para encontrar a verdade:
-quem não semeia um minuto
não colhe uma eternidade".

Vi na árvore fendida,
morta em meio à tempestade,
que um raio de luz na vida
nem sempre é felicidade"...

Cedo demais minha cãs
brotam em brumas de outono:
são as mudas temporãs
das sementes do abandono.

ALGUMAS DE HUMOR:

No buteco do Zé Galo
tanto a sujeira se agrupa,
que servem bife à cavalo,
com mosquito na garupa!

Depois de ter condenado
o bicheiro Zebedeu,
o juiz saiu apressado
para ver que bicho deu...

ANTÔNIO MESSIAS DA ROCHA FILHO