LEDA MARIA BECHARA

LEDA MARIA BECHARA, é natural de Juiz de Fora, nascida em 12/11/1943. Filha de Alibert Bechara e Iracema Zaghetto Bechara, e Marco Antonio unico irmão falecido em 2015. seus três filhos, Monica, Samuel Junnior e Alibert Neto lhe deram 5 netos. Viúva de José Marcelo Del Duca. Trovadora desde menina, foi musa dos Jogos Florais de Juiz de Fora em 1962. Foi presidente da UBT – JF por 12 anos. Professora formada em 1963, pela Escola Normal Oficial de Juiz de Fora. Conquistou cerca de 80 troféus em concursos pelo Brasil.

Se estou só, meu ser se agita (Menção Especial em Pinda - 2002)
pois, se me ponho a pensar,
a lembrança acorda e grita
o que eu não quero escutar!...

Um bom cobertor de lã, (co-vencedora em São Paulo - 2002)
uma bela companhia...
De uma chuvosa manhã
também se faz um bom dia!...

Pela estrada vou jogando (co-vencedora em Maringá - 2001)
galhinhos de amor, ao léu,
para que Deus, os catando,
faça o meu ninho no Céu...

Nas cartas, nenhum porém... (Vencedora Rio de Janeiro 2000)
Ao te ver, desmoronei...
Na prova escrita fui bem,
na prova oral fracassei...

A paixão que eu te proponho,
além do bem e do mal,
não é o delírio de um sonho, (ME Niterói 1999)
é uma loucura total!...

Tua inconstância e a saudade
causam-me tanto martírio,
que já não sei se és verdade (ME Niterói 1999)
ou parte do meu delírio!...

Um dia eu as pude amar,
são recordações tão boas...
Ah! Seu eu pudesse arrancar
do retrato, essas pessoas.

Não foi pecado querido,
o nosso amor vida afora;
pecado é o tempo perdido
no tempo que foi embora.

Não adianta esconder
seus segredos, bem no fundo;
nas profundezas do ser
é que Deus faz seu mundo!

Na velhice em plenitude,
tem a certeza quem trilha:
- Que a chamada juventude
brilha mais fraca...mas brilha!

Muitas vezes comedida,
não me vali da firmeza;
quantas certezas na vida
perdi, por não ter certeza.

Água para o cafezinho,
no velho bule a ferver,
traz do passado um cheirinho
que é difícil de esquecer!

Pela casa o olhar choroso,
procura em vão seus sinais;
mas você foi caprichoso:
- nem detalhes restam mais...

Com amor no coração
sou de Francisco aprendiz;
faço trovas de perdão
e ao perdoar sou feliz!

Trago no rosto marcadas,
nas rugas que vou ganhando
lembranças, tantas, passadas
e as que vou colecionando.

Deste amor não me liberto
e a distância me destrói:
- Quanto mais longe...mais perto;
quanto mais perto...mais dói!

No avançar frio da idade,
se a solidão não me acalma,
acendo a luz da saudade
e ela ilumina minha alma!

Pela idade preterida,
encarando a realidade,
não ponho idade na vida
e sim mais vida, na idade...

LEDA MARIA BECHARA