HEGEL PONTES

HEGEL PONTES, filho de José do Patrocínio Pontes e Carmen Navarro Pontes, nasceu em Monte Santo de Minas/MG, em 05 de dezembro de 1932. Advogado, escritor e poeta da mais nobre casta. Seu nome está inscrito na fundação da Academia Juizforana de Letras, da Academia Jurídica de Letras de Juiz de Fora (cidade que escolheu para residir) e do NUME (Núcleo Mineiro de Escritores). Sempre representou condignamente Juiz de Fora nos certames literários dos quais participou. Hegel faleceu no dia 15 de novembro de 2012, às 13h., vinte dias antes de completar 80 anos.

O drama da despedida
foi termos, ambos, notado
tua lágrima fingida
e o meu sorriso forçado...

É noite em nossa favela
e o vento, em leve rumor,
apaga a chama da vela
e acende a chama do amor.

Morre Cristo, o palestino,
e, na vida transitória,
a história do seu destino
muda o destino da História.

Não julgues pelo semblante
A honra alheia, meu filho:
- Na lua, a face brilhante
oculta a face sem brilho!

Felicidade, és somente
meu horizonte fugaz:
quando dou um passo à frente (2º lugar Pouso Alegre 1997)
dás um passo para trás...

No beco dos infelizes,
se houver saída, me aponte: (6º lugar Pouso Alegre 1997)
- quem vive sob as marquises
não vê céu nem horizonte...

Quando a vejo sobre o monte,
qual pipa vagando ao léu, (9º lugar Pouso Alegre 1997)
pego a linha do horizonte
e empino a lua no céu!

O sino é um ser sem razão,
que não tem razão de ser:
quando pára um coração,
ele começa a bater...

Jogou, perdeu, e hoje sabe,
vivendo um natal sombrio,
que a consciência não cabe
num sapatinho vazio.

A honra é a imagem casta
dentro do espelho do Bem:
- Se a gente dele se afasta
ela se afasta também...

Depois da falsa meiguice
e dos falsos beijos seus,
“Adeus”; sem graça, ela disse,
e eu disse: - Graças a Deus!

A voz dos ventos distantes,
dentro das conchas do mar,
são preces de navegantes,
que não puderam voltar.

A lágrima comovida
que vem de dentro de nós,
é uma palavra sofrida
que chega aos olhos sem voz.

Com que ironia o destino
pode este quadro pintar:
De um lado, um lar sem menino;
de outro, um menino sem lar.

A quiromante não lia,
ao fazer a predição,
que o destino me daria
justamente a sua mão.

O cego, na estrada escura,
vai tateando... e sua mão
parece que faz ternura
na face da escuridão!

"Não julgues pelo semblante, (5º lugar Rotay Club de Madureira/RJ - 1967)
a honra alheia, meu filho.
- Na lua, a face brilhante
oculta a face sem brilho."

HUMORISMO

Com dona X, do ABC, (Menção Honrosa em Nova Friburgo - 2012)
o velho, fraco e gagá,
procurou o ponto G,
mas falhou na hora H.

HEGEL PONTES